João Vaccari Neto é absolvido pelo TRF-4 pela segunda vez

Vaccari foi absolvido, por maioria, pela 8ª Turma, por insuficiência de provas. Esta é a segunda decisão do TRF4 que absolve Vaccari e reforma sentença do Moro

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) absolveu, em julgamento concluído na manhã desta terça-feira (26), o ex-secretário de Finanças do PT João Vaccari Neto. Ele havia sido denunciado porcorrupção passiva e a pena prevista era de 9 anos. No entanto, Vaccari foi absolvido, por maioria, pela 8ª Turma, por insuficiência de provas.

Esta é a segunda vez que Vaccari é absolvido por falta de provas e que o tribunal reformou uma decisão do juiz Sérgio Moro. Em junho, o Tribunal Regional Federal com sede em Porto Alegre – RS absolveu o ex-secretário da condenação proferida em primeira instância por Moro. Ele havia condenado o ex-tesoureiro a 15 anos e 4 meses de prisão com base em uma delação no âmbito da Lava Jato.

Em moção aprovada e divulgada na ocasião, o PT, através do Diretório Nacional, defendeu que Vaccari deveria ser posto em liberdade de forma imediata, afim de reparar da forma mais célere possível a injustiça da qual é vítima há mais de dois anos.

A moção externava o profundo repúdio do partido à manutenção da prisão preventiva do seu ex-secretário de Finanças João Vaccari Neto e exigir sua imediata liberdade.

“João Vaccari foi absolvido porque contra ele não há uma prova sequer, nem nesse e nem nos outros processos nos quais é réu, e a manutenção de sua prisão se dá única e exclusivamente por ser ele um quadro histórico do PT”, dizia a nota.

Em nota, a presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou:

“A segunda absolvição do companheiro Joao Vaccari no TRF4 mostra que o Judiciário pode sim corrigir as arbitrariedades da Vara de Curitiba. O PT confia que também serão reconhecidas as injustiças contra o companheiro Jose Dirceu, que tem nossa total solidariedade.”

Nas redes sociais, companheiros de partido de Vaccari comemoram a decisão:

http://www.pt.org.br

Comentários pelo Facebook