No norte do Paraná, a história de uma cidade octogenária

No dia 15 de fevereiro de 1938 o Paraná ganhava um novo município: Cornélio Procópio. Prestes a completar 80 anos, a cidade que se desenvolveu às margens do km 125 da Ferrovia, e que leva o nome de um importante Coronel, ainda tem muita histórias e caminhos a trilhar

Os apitos de trem, o pioneiro, a lavoura e o crescimento da cidade não estão registrados apenas no hino do município. Cornélio Procópio é uma cidade que ajuda a recontar a história do Paraná

Uma história escrita em trilhos de ferro

A chegada dos trilhos de ferro está intimamente ligada com a colonização, o surgimento e o desenvolvimento da cidade de Cornélio Procópio. Isso porque a ferrovia, inaugurada em dezembro de 1930, trouxe consigo aventureiros e trabalhadores ingleses e portugueses, além dos pioneiros paulistas e mineiros. O caminho percorrido pela Maria Fumaça entre Bandeirantes, Santa Mariana, Cambará e a futura Cornélio Procópio levava os sonhos desses desbravadores e consolidava o desenvolvimento da região.

A origem do nome da cidade veio do Coronel Cornélio Procópio de Araújo Carvalho, que ocupava posição de destaque no Império durante o final do século XIX. Uma de suas filhas, Maria Balbina Procópio Junqueira, era casada com Francisco da Cunha Junqueira. Francisco Junqueira quis homenagear o sogro e cedeu seu nome para ser o patrono da Estação Ferroviária km 125. Tempos depois, a criação do Município de Cornélio Procópio se concretizou, com a emancipação do município no dia 15 de fevereiro de 1938. Com o desenvolvimento da cidade no entorno da Estação, foi natural que o município também levasse o nome – e história – de seu patrono.

Nos cantos da cidade, boas histórias de ser ver e ouvir

É possível voltar no tempo e reviver a história de Cornélio Procópio em vários pontos da cidade. Um desses “cantos” é a Catedral Cristo Rei, que foi finalizada em maio 1948. Com arquitetura em estilo românico, seu projeto foi elaborado em forma de cruz romana, com uma nave central e duas naves laterais. Um dos objetos de destaque é o Ostensório, todo banhado a ouro e trazido da Alemanha.

No centro da cidade está o cartão postal procopense e também a maior estátua sacra de bronze da América Latina. Com uma vista panorâmica da região, a estátua do Cristo Rei tem quase 24 metros de altura e está rodeada de jardins, bancos, parque infantil, lanchonetes e até pista de skate.

A população de mais de 46 mil habitantes também pode aproveitar o lazer em oito ginásios poliesportivos, duas bibliotecas públicas, quatro teatros/casas de espetáculos e dois museus.

Um deles é o Museu Histórico de Cornélio Procópio, inaugurado em junho de 2000, e que está instalado no edifício Casa de Cultura Nair Mariucci Azzolini. Com um valioso acervo, guarda objetos, instrumentos, móveis e roupas que pertenceram aos pioneiros fundadores de Cornélio Procópio. Nele também está uma réplica de em tamanho natural do primeiro estabelecimento comercial, além de cenários, maquetes e painéis fotográficos que mostram a transformação da cidade. Uma verdadeira viagem no tempo para o visitante.

Para uma jovem octogenária, um mês de festividades

Uma extensa programação está prevista para as comemorações dos 80 anos de emancipação política e administrativa de Cornélio Procópio. ”No mês de fevereiro teremos Carnaval de Rua, Final da 40ª Copa Oswaldo Bernardes, Prova Pedestre XV de Fevereiro, Campeonato de Futevôlei, escolha da Musa do PSTC, Missa Campal e Culto de Ação de Graças, entre outras atividades”, conta o prefeito, Amin Hannouche.

Com a proximidade do aniversário com o feriado de Carnaval, a comemoração dos 80 anos virou uma grande festa. No dia 9 haverá Carnaval para crianças e para turma da melhor idade na Praça Brasil, a partir das 18 horas. No feriadão a animação fica por conta do Trio Elétrico Canibal e banda comandada por Michele Reich na Avenida XV de Novembro nos dias 10, 11, 12 e 13 de fevereiro, a partir das 22h.

E no dia 15 de fevereiro, data do aniversário, a população é convidada para cantar “parabéns” com direito a bolo de 80 anos. “Queremos que toda nossa comunidade participe desta festa que há muito tempo nossa cidade não assistia. Serão momentos de muita diversão e entretenimento, para aqueles procopenses que realmente gostam deste movimento cultural que é o nosso Carnaval”, finaliza o prefeito, Amin Hannouche.

g1.globo.com

Comentários pelo Facebook