REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 21/06/17- Mt6,1-6.16-18 “E O TEU PAI, QUE VÊ O QUE ESTÁ ESCONDIDO, TE DARÁ A RECOMPENSA.”

No Evangelho que a liturgia de hoje nos convida a refletir, vemos um alerta de Jesus aos discípulos quanto ao perigo deles caírem na hipocrisia de praticar boas obras para serem vistos pelas pessoas e assim, verem crescer o prestígio deles diante delas! Este alerta de Jesus, vale também para muitos de nós que gostamos de fazer algo de bom, no desejo de receber elogios de sermos incensados pelas as pessoas!
O texto nos apresenta três práticas que podem nos ajudar muito a crescer na vida cristã, que é a esmola, a oração e o jejum. A esmola, no seu sentido amplo, é toda a nossa disponibilidade em ajudar o próximo, tanto materialmente quanto espiritualmente…
A oração é o nosso contato filial e íntimo com Deus, quando reconhecemos as nossas fragilidade nos colocando na dependência Dele. E o jejum é o exercício do autocontrole, uma forma de educar a nossa própria vontade.
Quem vive a fé, tem um relacionamento com o irmão através da partilha, da atenção para com os necessitados, o que chama caridade (esmola.) Quem vive um relacionamento filial com Deus, se faz íntimo Dele através da oração. E quem exercita o autocontrole sobre suas vontades, sobre os seus impulsos, pratica o jejum.
Todas essas experiências, quando partidas do coração, nos possibilitam viver uma relação harmoniosa com Deus e com os irmãos, porém, se junto a essas praticas, estiver embutido o nosso desejo de ser visto, de ser elogiado pelos os outros, estas práticas do bem, perdem o valor diante de Deus.
Há pessoas, que fazem grande publicidade do bem que elas fazem, sendo que o que agrada a Deus, é o bem que fazemos desinteressadamente, na total gratuidade!
Agradamos a Deus quando praticamos a caridade, quando dedicamos tempo para a oração, quando exercitamos o jejum, mas quando os praticamos no intuito de aparecer, de receber elogios, tudo o que fazemos, não é reconhecido por Deus, pois já foi reconhecido pelos os homens!
“Não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens.”
Era costume do judeus, tocar trombeta nos três momentos de oração: oração da manhã, do meio dia e do entardecer. Onde os fariseus estavam, eles paravam para fazer essas orações. Muitos, procuravam ficar nas esquinas, em lugares públicos nos momentos destas orações, afim de que o povo visse e admirasse o jeito deles rezarem. O Jejum praticado por eles era acompanhado de alguns gestos exteriores bem visíveis, eles não lavavam o rosto, não penteava os cabelos, agiam assim, para que o povo visse que eles estavam jejuando. Jesus critica estas práticas dos fariseus, nos convidando a fazer diferente, a fazermos tudo por amor a Deus e não, para sermos vistos e elogiados. A caridade, o bem que fazemos, deve ser para a glória de Deus e não, para a nossa glória.
A oração, o jejum e a esmola, são vias que nos levam a Deus, desde que as pratiquemos na total gratuidade, sem segundas intensões.

FIQUE NA PAZ DE JESUS!

Comentários pelo Facebook